Pesquisar este blog

Breaking News
recent

A educação alimentar e o significado de uma boa alimentação

A educação alimentar inclui algo mais complexo, é um procedimento, ou seja, além da variação de hábitos alimentares, existe o aprendizado do que é uma alimentação saudável, manter aspectos da pessoa, é a construção da noção, a vivência humana.
Para que cada pessoa alcance e adquira bons costumes alimentares e os transmita é indispensável que a pessoa participe do processo. Ela deve almejar conhecer os alimentos, suas funções no corpo, seu valor, para compreender o porque desses alimentos serem indicados. 
A alimentação jamais deve ser imposta como alguma coisa fixa, restrito, que gere sacrifícios. Deve ser algo esquematizado conforme as prioridades da pessoa e especialmente levando em conta, hábitos e costumes, acatar aspectos culturais, tudo com bom senso, e claro com o equilíbrio nutricional imperativo.
É muito admirável que o educador acate a individualidade do indivíduo e admita seus hábitos atuais, para que aos poucos insira o que é necessário para aprimorar e incentive para que continue conservar o que é bom, garantido assim uma adequada nutrição.
Modificar hábitos não é tarefa fácil, mas também é possível. É um procedimento de educação e deve ser enfrentado dessa maneira, com erros, deslizes, acertos, recaídas, etapas vencidas e tudo que será preciso nesse processo. Tudo em procura da saúde do corpo e da mente, e lembro tudo ao seu tempo e sua hora!

O que é uma boa alimentação?

O que é uma boa alimentação?
A boa alimentação não deve ser imposta como algo fixo, restrito, que gere sacrifícios mais sim reeducar nutricionalmente.
Muitas pessoas conhecem o significado de uma alimentação equilibrada, mas mesmo assim continuam se alimentando de maneira incorreta. Isso porque não adianta apenas saber, é preciso reeducar nutricionalmente, isto é, trocar os maus hábitos alimentares por bons hábitos. Trata-se de adotar um novo estilo de vida, de ampliar conceitos, mudar costumes... o que não é nada fácil, ainda que possível. A melhor maneira é apostar na educação alimentar.
Esse aprendizado pode e deve ocorrer em qualquer lugar, mas a escola é um espaço privilegiado para o estudo alimentação e da nutrição como ciência, arte, técnica e história. A escola deve atuar com um laboratório em permanente atividade de busca sobre o homem e as condições de vida. Afinal, é na escola que se revelam as dificuldades que existem fora dela e é na escola que essas dificuldades podem ser solucionadas através da pedagogia.
A alimentação está situada em um contexto de vida histórico e cultural do homem. A participação ativa do indivíduo e da comunidade em aspectos relacionados à alimentação e saúde, aliada à garantia, por parte do governo, da alimentação como um direito humano e à segurança alimentar e nutricional para o desenvolvimento físico, mental e social são os passos fundamentais para o alcance do real sentido de igualdade.

15 dicas para ter uma alimentação saudável 

Realizar de cinco a seis refeições por dia
Não podemos esquecer de todas as refeições (desjejum, lanche da manhã, almoço, lanche da tarde, jantar e ceia), que devem ser feitas de três em três horas. Essa pratica obriga-nos a comer menos em cada uma delas, já que não haverá longos períodos de jejum. Ótimas opções de lanche entre as principais refeições são as frutas secas, como damasco, banana, uva, maçã e abacaxi e as oleaginosas, como nozes, castanhas, pistache, amêndoa e a avelã.
Reduzir o consumo de bebidas alcoólicas e refrigerantes
Quando não houver tempo para preparar um suco de frutas natural, optar pelos sucos prontos orgânicos ou chás gelados. Essas opções são mais benéficas e refrescantes do que bebidas alcoólicas e refrigerantes.
Incluir cereais integrais no cardápio 
Há vários produtos que consumimos diariamente que podem ser substituídos por suas versões integrais, com arroz, pão e macarrão integrais. Já os cereais como aveia, quinua, amaranto, centeio e cevada, podem fazer parte de algumas de nossas refeições. Eles são ricos em fibras e que causam saciedade, auxiliam no controle dos níveis de glicose e colesterol sanguíneos, além de regularizarem o trânsito intestinal;
Ingerir frutas, verduras e legumes 
Esses três tipos de alimento não podem ficar da dieta. Devemos comê-los diariamente, dando preferência às de época e orgânicas, que possuem maior teor nutritivo – são fontes de vitaminas e minerais que estimulam o sistema imunológico e protegem contra vírus e infecções.
Evitar frituras em geral 
Sempre que for escolher um alimento, fuja das frituras. Prefira preparações cozidas, assadas e grelhadas, que possuem menos óleos e calorias.
Preferir os óleos vegetais prensados a frio 
Eles são ricos em gorduras insaturadas benéficas ao organismo e auxiliam na redução dos níveis de colesterol. Entre esses olhos estão: azeite de Olívia extra virgem, óleo de linhaça, óleo de macadâmia, óleo canola, óleo de gergelim etc.
Utilizar o sistema “a vapor” 
Ao cozinhar os legumes, use este método. Ele ajuda a preservar melhor os nutrientes e ainda evita adição de gordura aos legumes.
Diminuir a ingestão embutidos 
Os alimentos industrializados são ricos em sódio, açúcar refinado e gordura trans. Todas substâncias, se consumidas em excesso, são nocivas ao organismo.
Ingerir mais água 
São necessários cerca de oito a 10 copos de água todos para garantir a hidratação adequada, melhorar o funcionamento do intestino, facilitar a filtração do sangue e desintoxicar o organismo.
Reduzir o consumo de carnes gordurosas 
Carne vermelha e carne de porco são ricas em gordura saturada, que não fazem bem ao nosso organismo. Dê preferência a carnes magras (peixes, peito de frango), se possível na sua forma orgânica.
Fazer as refeições em local calmo 
Lembre-se de ficar longe da televisão e mastigar bem os alimentos. Uma boa mastigação estimula o centro da saciedade e, assim, é possível satisfazer-se com menores quantidades de comida.
Evitar o consumo exagerado de açúcar 
Use adoçantes naturais como o extrato de agave, que possui baixo índice glicêmico, ou seja, à absorvido lentamente pelo organismo, além de conter minerais, como ferro, cálcio, potásio e magnésio;
Cuidado com a adição de sal nos alimentos 
Use outros temperos para realçar o sabor dos alimentos, com as ervas aromáticas: alecrim, orégano, açafrão, cominho e tomilho.
Evitar a ingestão de líquidos durante as refeições 
Esse hábito atrapalha o processo digestivo, podendo causar gases e constipação. Além disso, ele dificulta a perda de peso;
Praticar exercícios físicos regularmente 
Além de prevenir o sobrepeso e a obesidade, melhora a oxigenação, a circulação sanguínea, aumenta a disposição e a resistência do organismo.

O que são alimentos e nutrientes

Alimentos são toda as substância sólida e líquidas que, levadas ao tubo digestivo, são degradadas e depois usadas para forma e/ou manter os tecidos do corpo, regular processos orgânicos e fornecer energia. Mas devemos tomar cuidado com definições genéricas. Um exemplo: não existem alimentos perfeitos, ou seja, nenhum alimento possui todos os nutrientes responsáveis por regular, construir ou manter os tecidos e fornecer energia. Também existem alimentos que só fornecer energia. Também existem alimentos que só fornecem calorias vazias, ou seja, são concentrados em certas substâncias que se transformam apenas em energia após a digestão, como é o caso das bebidas alcoólicas e refrigerantes.
Nutrientes são todas as substâncias químicas que fazem parte dos alimentos e que são absorvidas pelo organismo, sendo indispensáveis para o seu funcionamento. Também podemos dizer que os nutrientes são os produtos dos alimentos depois de degradados. Assim, os alimentos são digeridos para que os nutrientes sejam absorvidos (processo pelo qual os nutrientes chegam ao intestino e, daí, passam para o sangue, agindo sobre o organismo).

Pirâmide alimentar

As pirâmides alimentares são esquemas gráficos que distribuem os vários tipos de alimentos e as proporções que devem ser ingeridas nas refeições de pessoas saudáveis, para ser usado como um roteiro para uma alimentação saudável. Os primeiros guias alimentares são da década de 1970. Desde então, periodicamente surgem novos esquemas, adaptados aos hábitos e às necessidades de cada sociedade e aos avanços das pesquisas científicas.
A Pirâmide Alimentar foi criada para ajudar e a entender como equilibrar esses alimentos diariamente. Os alimentos são agrupados de acordo com as suas funções e seus nutrientes. Ela tem como objetivo principal mostrar que uma alimentação saudável deve ser variada e moderada e a partir desse tipo de regime alimentar, conseguiremos diminuir doenças como a obesidade e a carência de nutrientes. Para uma boa alimentação é importante comer frutas, verduras, e carboidratos.

Você pode citar este artigo, basta copiar o texto formatado logo abaixo. 
Fonte: Empresas de sucesso, A educação alimentar e o significado de uma boa alimentação .Pesquisa: Fabiano Rodrigues. Disponível em: http://www.empresasdesucessos.com/2014/05/a-educacao-alimentar-e-o-significado-de.html

Referências e Bibliografia 
1* CENTRO DE REFERÊNCIA EM VIGILÂNCIA NUTRICIONAL DA REGIÃO CENTRO-OESTE. Antropometria: manual de técnicas e procedimentos. Goiânia: INAN/MS, 1996.
2* MAHAN, L.K.; ARLIN, M.T. Krause: alimentos, nutrição e dietoterapia.8ª ed. São Paulo: Roca, 1995.
3* DOS SANTOS, Carlos Roberto Antunes. A alimentação e seu lugar na história: os tempos da memória gustativa. História Questões & Debates, v. 42, 2005.
4* Loureiro, Isabel. "A importância da educação alimentar: o papel das escolas promotoras de saúde." Revista Portuguesa de Saúde Pública 22.2 (2004): 43-55.
5* Pirâmide alimentar
6* Alimentação
Empresas de sucesso

Empresas de sucesso

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu Comentario

Fabiano . Tecnologia do Blogger.