Pesquisar este blog

Breaking News
recent

O Profeta Risonho - Creepypasta

O Profeta Risonho - Creepypasta de terror: Assista o vídeo e tenha hoje uma ótima noite crianças
Você pode gostar: Origem do Jack Risonho

O Profeta Risonho - Historia de terror

Contos de terror 

“Pessoas estão morrendo na cidade. Essa cidade de cinzas já está demasiado pútrida, sem sal, sem gosto, sem vida. E eu trago a boa nova. Sou eu aquele que observa a todos de longe. Sou eu que passo meus dedos frios pelo seu rosto quando você acorda de madrugada, com medo, sem entender o por que de ter acordado aquela hora, e com uma desconfortável sensação de que está sendo observado. Pessoas morrem. Eu às levo. Eu sou o condutor do trem de passagem. Estique-me sua mão e toque meus dedos. Se você merecer, eu te levo comigo.
- O Profeta Risonho” A carta fora deixada ao lado do cadáver. Seria clichê demais se estivesse escrita com sangue. Não. Fora escrita à caneta. Preta. Em um pedaço de papel. Branco.
O cadáver? Destroçado. Pudera a pobre coitada resistir, talvez. Mas fora inútil. Seu estômago estava aberto em cortes cirúrgicos e precisos. Coisa de profissional, sem dúvida.
No rosto da pobre coitada, os olhos ainda abertos estavam embebidos de terror. “Puta que me pariu...” pensou “Que filho da puta maníaco faria uma coisa dessas?”
Tiago era o policial encarregado da operação. Eram cinco da manhã, ou quase isso. O sol começava a raiar pelo mato do lado de fora da casa, e dava um tom mais ameno à cena do crime.
Era uma pequena casa de tijolos, abandonada e fodida, sem telhado e com as paredes meio derrubadas. Ficava no meio do mato. O corpo da garota, estendido no chão, fazia qualquer um que achasse aquele início de manhã bonito se lembrar de como ser humano não passa de um monte de merda.
Além de Tiago, outro policial fazia companhia ao cadáver: seu nome era Rafael. Rapaz jovem, porém sagaz.
Os dois fumavam apoiados na parede, com a esperança de que a fumaça e a nicotina afastasse se suas narinas o fedor da pobre coitada estraçalhada no chão.
- Eu ainda custo a acreditar que alguém faria isso com uma garota tão bonita- falou Rafael, em meio a baforadas.
- E eu custo a acreditar que alguém faria isso.
- Será que o filha da puta estuprou ela antes ou depois de estraçalhar?
- Eu nem quero pensar nessa merda! Sai pra lá!
- Fica frio, Tiago. Olha ela aí. Quantos anos cê acha que ela tem, hein?
- Tinha, CE quer dizer, né?
- Tinha, tem, foda-se. Quantos anos?
Tiago segurou a fumaça nos pulmões por um segundo, para refletir. Enquanto a nicotina (mais queria ele que fosse cannabis) preenchia seus alvéolos pulmonares e fazia o trabalho que o oxigênio não podia de lhe relaxar, turbilhões de imagens preencheram a sua mente.
- Dezenove no máximo. – respondeu ele.
Haviam encontrado o corpo no fim da madrugada. Dois dias depois de busca pela garota desaparecida, que sumira enquanto voltava da faculdade à pé, no fim da tarde. A cidade era Araraquara, interior de São Paulo. Cidade tranquila, pode-se dizer assim. Se não fosse pelo cheiro de laranja inferior que cobria aquele antro de tranquilidade, podia-se até morar lá.
Natália era seu nome. Desaparecera. Fora estuprada e estraçalhada. Deixara pra trás falsos amigos, uma mãe descontente Por ela ter escolhido o curso de química e não medicina, um namorado que estava prestes a terminar o relacionamento, uma colega de quarto imbecil e cinco quilos de pó no armário do quarto. Relatos das pessoas próximas à garota diziam que a mesma andava dormindo mal nos últimos dias. Chegava à faculdade com cara de ressaca, mas ninguém perguntava porra nenhuma. Garotas daquele tipo eram conhecidas por passarem a noite bebendo nos postos de gasolina na cidade ao lado de playboys, se entupindo de crack até sair pelos olhos.
Mariana, sua colega de quarto, afirmou que Natália não dormira nada nos últimos três dias, com medo. Ouvia rangidos pela casa, unhas raspando na sua janela de zinco, acordava no meio da noite com uma risada leve vindo de outro canto do quarto, e que mesmo estando completamente sozinha, sempre se sentia observada. Mariana não estranhara, pois achava que a amiga andava usando algum tipo de droga extremamente fodida. Ela acordava de noite, batia na sua porta, e Mariana ao abrir encontrava uma Natália com olheiras colossais, suada e tremendo.
- Mari, tem alguém no meu quarto... Por favor, me deixa dormir aqui com você... – pedia ela com a voz fraca de pavor.
- Natália, vai dormir porra. Não tem ninguém no seu quarto, você andou cheirando demais. – E fechava a porta.
Quando Natália não voltou pra casa na sexta à noite, Mariana nem ligou. A amiga costumava passar as noites fora no fim de semana, normalmente em alguma república onde ela faria sexo com cinco caras ao mesmo tempo.
No sábado ninguém vira Natália, e Mariana começou a ficar preocupada.
No terceiro dia ela já havia ligado para a polícia. Mas já era tarde demais.
Quando soube da morte trágica da amiga, Mariana se desesperou. Gostava de Natália. Apesar da amiga de uns tempos pra cá estar virando uma viciada do caralho e tornando sua vida um inferno, não era má pessoa.
Mal sabia ela que em breve se juntaria à garota. 
Onze e pouco da noite e o telefone toca.
Tiago se levanta do sofá, balançando o copo de uísque entre os dedos, atravessa a sala, iluminada somente pela luz da tevê.
- Alô? 
Uma voz calma, porém sombria, responde do outro lado da linha.
- Pessoas estão morrendo na cidade. Eu às levo. Purifico-as e levo suas almas com seu próprio sangue. Sangue tem gosto de vida. A vida é irmã da morte. Elas caminham de mãos dadas. Meu sorriso brilha através da escuridão envolvente da noite. O ocaso esconde meu rosto. Eu sou a luz. Eu sou a piada mortal. Será que você consegue me parar?
Tiago esfrega os olhos, tentando entender o que diabos é aquilo.
- quê? Que porra é essa? Quem ta falando?
Um choro fraquinho e doloroso pode ser ouvido ao fundo, no outro lado da linha.
- que merda é essa? Quem é?
A pessoa do outro lado da linha dá uma risadinha maliciosa, e sussurra:
- eu estou te esperando.
A ligação se encerra. Tiago engancha o telefone, recua e deixa seu corpo cair na poltrona, confuso. “Que porra foi essa?” pensa ele. Talvez seja a confusão, o cansaço, ou até o uísque, algum desses três fatores, ou os três, faz com que ele feche os olhos e durma quase instantaneamente. Vários minutos se passam.
São meia noite e alguma coisa, e o telefone toca novamente.
– Escuta aqui, seu merda, o que você quer?
Tiago acordara de súbito e atendera ao telefone daquela maneira, sem ao menos perguntar quem era.
- Tiago?
Não era a voz de quem lhe telefonara antes. Era Rafael.
- Oi... Oi Rafa, me desculpa, eu acabei de acordar.
- Cara, eu preciso de você aqui na Trinta e Seis agora mesmo. Aconteceu outro assassino.
Tiago sentiu o coração gelar.
- Quem foi? - perguntou ele temendo pela resposta, que provavelmente ele já sabia.
- Mariana, a colega de quarto da garota que foi morta semana passada. Ela foi assassinada da mesma maneira que a amiga. – As luzes da viatura iluminavam o interior da casa.
O chão era uma sopa de sangue e tripas. Os órgãos internos da garota haviam sido retirados e jogados pela sala. Seus olhos, perfurados. Sua língua, arrancada. Os cantos de sua boca, cortados formando um sorriso.
Na parede, estava escrito com algo que não dava pra distinguir se era sangue, tinta, ou uma mistura dos dois:
“Sorria, vagabunda! Você ira dormir com aquele de sete bocas nas profundezas do inferno essa noite!”
Ao lado do cadáver, a mesma carta deixada no caso anterior.
Tiago não sabia o que pensar. O celular da garota havia sido deixado em cima do sofá, e nos registros de ligações, a última chamada havia sido para o seu número. O assassino havia ligado para ele enquanto matava Mariana.
Essa merda havia chegado longe demais. Tiago precisava descobrir quem era o puto, e como esse miserável sabia o número dele.
- Tiago... – chamou Rafael.
- Fala
- Eu andei dando uma pesquisada nos registros. Esses dois não são os primeiros casos de assassinatos brutais nesse mesmo protocolo no Brasil. No decorrer desse bimestre, ao redor do Brasil todo, pessoas vêm sendo brutalmente assassinadas, por um cara que se intitula. “O Profeta Risonho”. Acho que se trata de algum tipo de serial Killer que está viajando o Brasil todo. Provavelmente há essa hora ele já saiu da cidade.
- Precisamos pegar esse desgraçado imediatamente. Esse banho de sangue não pode se espalhar pelo país, Rafa.
- Eu acho que já se espalhando... 
Dois dias depois, Tiago acorda no meio da madrugada.
Faz frio. Ele não entende o motivo de ter acordado tão, cedo, visto que ainda estava extremamente cansado.
O policial recosta a cabeça no travesseiro, e tenta voltar ao sono...
Quando ele ouve uma risadinha maliciosa vindo do outro lado do quarto. Tiago sente cada pelo do seu corpo se arrepiar. Ele se levanta de súbito e vê alguém parado diante sua cama.
A figura usa uma jaqueta preta, com um capuz repousando sobre a cabeça. A luz da rua que entra pela janela ilumina seu rosto. Rosto? Não, não é possível ver seu rosto. Ele usa uma máscara. Uma máscara branca, retratando um rosto de expressão neutra. Na boca do rosto da máscara, está pintado de preto, malfeito, como se fosse uma pintura a dedo, esticando além dos cantos, um sorriso macabro. No olho direito duas gotas de tinta seca escorrem, como lágrimas. Na testa da persona, pintado também à dedo em tinta preta, um círculo com um X no meio.
Tiago não grita, não pede por clemência, em ao menos consegue se mover. A figura estica o braço e acaricia seu rosto.
- Quem é você?- pergunta Tiago.
- Eu sou a voz daqueles cuja alma fora condenada. Eu sou aquele que traz a boa nova. Eu sou o Profeta Risonho- responde a figura.
Sua voz é calma, suave, porém debochada. Pelo timbre, parece se tratar de um adolescente. Não deve ter mais de dezoito anos.
Tiago fecha os olhos e aceita seu destino. O Profeta estraçalha-o dolorosamente com um facão. Tiago demora a morrer ao ponto que acaba sendo um alívio para ele.
O assassino observa sua arte. Talvez aquela tenha sido sua obra prima. Ele guarda seu facão, escreve uma carta com suas profecias e deixa ao lado do cadáver.
O Profeta Risonho sai caminhando pela rua escura.
Pessoas estão morrendo na cidade. Quem as leva? Ninguém sabe realmente.
Você provavelmente está lendo isso em algum blog, ou ouvindo pela voz de algum narrador no You Tube. Sim, eu estou falando com você. Você ai mesmo. Quem você acha que escreveu tudo isso?
Eu preciso que minha mensagem seja espalhada. Eu vou encontrar cada um de vocês, purificá-los, e enviar sua alma para as profundezas do mundo sombrio. Através da minha história, você já está alarmado de quem eu sou. Aguarde-me. Eu estarei atravessando o país todo, cada canto do Brasil, procurando por você. Assim, quando você acordar de madrugada, com aquela sensação de que está sendo observando, sou eu que estou ali no seu quarto, te observando, te estudando, e em breve eu te purificarei.
Pode rir se quiser. Os mais céticos são meus preferidos. O olhar de surpresa no rosto de vocês quando eu vos corto me delicia.
Em breve eu estarei na sua casa. Em breve você irá me conhecer.
Pessoas estão morrendo na cidade. E em breve você será uma delas.
Inclusive você, meu garoto. Você irá gritar quando eu te cortar.
Meu nome é Profeta Risonho... E aqui eu divulgo a boa nova...
Empresas de sucesso

Empresas de sucesso

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu Comentario

Fabiano . Tecnologia do Blogger.