Pesquisar este blog

Breaking News
recent

Gêmeo parasita

Gêmeo parasita ou mesmo chamado fetus in fetu é um caso raro no qual um fato não viável ou malformado é englobado pelo feto do seu gêmeo com desenvolvimento normal, em geral alojando-se no abdômen ou na cavidade retroperineal. Acredita-se que ocorre um caso a cada 500 mil nascimentos e há menos de 100 casos citados pela literatura em todo o mundo.
A maior parte dos gêmeos parasitas apresenta anencefalia, mas podem ter membros e a coluna vertebral. Os fetos dos gêmeos iniciam o crescimento de modo paralelo mais o gêmeo parasita tem o crescimento interrompido por um defeito ou pela dominância vascular de seu par.
A maior parte dos casos torna-se evidente nos primeiros anos de vida. Apesar de ser considerado benigno o tratamento é a remoção cirúrgica do gêmeo parasita.

A classificação como vida 

Um feto em Fetu pode ser considerado vivo, mas apenas no sentido de que os seus tecidos ainda não tenham morrido ou sido eliminado. Assim, a vida de um feto em Fetu é semelhante ao de um tumor, em que as duas células permanecem viáveis por meio de actividade metabólica normal. No entanto, sem as condições de gestação no útero com o âmnio e da placenta, um fetus pode evoluir para, na melhor das hipóteses, um teratoma especialmente bem diferenciado; ou, na pior das hipóteses, um teratocarcionoma metastático de primeira qualidade. Em termos de maturação física, os seus órgãos têm um suprimento de sangue trabalhando a partir do host, mas todos os casos de feto em fetu apresentar defeitos críticos, como não funcional do cérebro, coração, pulmões, trato gastrointestinal, ou do trato urinário. Assim, enquanto um fetus in fetu pode compartilhar características morfológicas com um feto normal, não tem nenhum possibilidade de qualquer forma de vida fora do duplo host. Além disso, representa uma ameaça clara para a vida da dupla de acolhimento a quem a sua própria vida depende.

Teoria gêmeo parasita

Fetus in fetu pode ser um feto gêmeo parasita que cresce dentro de seu gêmeo host. Muito cedo em uma gravidez de gêmeos monozigóticos, em que ambos os fetos partilham uma placenta comum, um feto envolve o outro. O gêmeo envelopado torna-se um parasita, na medida em que a sua sobrevivência depende da sobrevivência de sua dupla de acolhimento, inspirando-se em fornecimento de sangue do gêmeo host. O gêmeo parasita é anencéfalo (cem cérebro) e carece de alguns órgãos internos, e como tal não é capaz de sobreviver por conta própria. Como o gêmeo de acolhimento tem de “alimentar” o duplo envelope dos nutrientes recebidos durante um único cordão umbilical, eles geralmente morrem antes do nascimento.

Exemplos de gêmeos parasitas 

O Jovem Narendra Kumar, de 18 anos, estava com muitas dores no estômago quando resolveu ir ao médico. Após vários exames, o homem foi diagnosticado com um “gêmeo parasita” próximo ao seu abdômen que possuía cabelo, dentes e ossos.
Segundo as informações do Metro, o indiano, de Uttar Pradesh, o rapaz sofria de uma rara condição versada como “feto in fetus”.

Imagens de gêmeos parasitas 

Exemplos de gêmeos parasitas
Gêmeos parasitas 
Gêmeo parasita

Referência: 
*Fetus in fetu: wikipedia.org/wiki/Fetus_in_fetu
*Jovem descobre ter feto de irmão dentro da barriga :www.redetv.uol.com.br
Empresas de sucesso

Empresas de sucesso

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu Comentario

Fabiano . Tecnologia do Blogger.